© 2017 Dra. Maria Luiza todos os direitos reservados. Criado por Social Master.

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • Blogger - White Circle

Localização:

RuaRua Bandeira Paulista, 530, sala 43
04532-001 - Itaim Bibi, São Paulo - SP

 

11-3071-2977
11-95604-6875

Hepatites virais - Hepatite C

Como a cirrose hepática, onde o paciente pode evoluir com icterícia, ascite (barriga de água) e varizes de esôfago (sangramento digestivo).

 

Diagnóstico:

O anticorpo contra o vírus da hepatite C serve como um exame de triagem. Se ele vier negativo podemos descartar a doença. Porém se vier positivo, é necessário a pesquisa do DNA do vírus para sua confirmação. Um anti VHC positivo mostra apenas que a pessoa já entrou em contato com o vírus, podendo ainda ser uma reação cruzada ou mesmo um falso positivo. É preciso um exame mais específico do vírus (pesquisa do PCR) para confirmar a infecção.

Desde 1993, o sangue dos bancos de sangue são testatos para VHC. Antes disso, o vírus não era bem conhecido. Quem recebeu transfusão de sangue antes de 1993 deve ser testado para hepatite C, bem como usuários de drogas injetáveis, pessoas com tatuagem ou que praticam sexo de forma desprotegida.

Não existe, até esse momento, vacina contra a hepatite C.

Tratamento:

 

A hepatite C crônica pode ser curada. Os esquemas terapêuticos mais atuais chegam a apresentar taxas de cura próximas a 90-100%. E com muito menos efeitos colaterais que no passado, inclusive para pacientes já cirróticos. Muitas dessas novas drogas já são fornecidas pelo SUS, e tantas outras estão para chegar.

A hepatite C é causada pelo vírus VHC, primordialmente transmitido por sangue contaminado. A infecção pode também ser propagada pelo contato sexual e por via perinatal (de mãe para filho). Porém essas duas últimas opções são muito menos frequentes. A transmissão do vírus também pode ocorrer pelo compartilhamento de seringas e agulhas, instrumentos contaminados de manicure ou dentista e tatuagem.

Ao contrário do que ocorre com a hepatite B, a maioria dos pacientes é assintomático na fase aguda da doença porém desenvolve a forma crônica em torno de 90% dos casos. A hepatite C crônica tem uma evolução lenta, mas a longo prazo pode causar lesões hepáticas graves como a cirrose hepática e o câncer de fígado.

Sintomas:

Na maioria dos casos a hepatite C só apresenta sintomas quando surge alguma complicação da doença.

Saiba Mais >