© 2017 Dra. Maria Luiza todos os direitos reservados. Criado por Social Master.

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • Blogger - White Circle

Localização:

RuaRua Bandeira Paulista, 530, sala 43
04532-001 - Itaim Bibi, São Paulo - SP

 

11-3071-2977
11-95604-6875

Hepatites virais - Hepatite B

Ela pode também passar desapercebida por ser assintomática ou trazer sintomas muito inespecíficos. A maioria dos doentes ( 85%)  conseguem eliminar o virus da hepatite B e obter a cura definitiva. Porém uma pequena parcela desses pacientes evolui para uma doença hepática crônica.

  • A  hepatite B crônica pode seguir silenciosa por vários anos, porém esses pacientes podem cursar com cirrose hepática e/ou câncer de fígado. Os sintomas que aparecem são devidos a cirrose hepatica e são: icterícia, aumento do baço, acúmulo de líquido no abdomen (ascite), distúrbios de atenção e de comportamento (encefalopatia hepática) e sangramento digestivo (varizes de esôfago).

Prevenção:

 

A maneira mais segura e eficaz de prevenir a hepatite B é tomar as três doses da vacina, que já faz parte do calendário vacinal obrigatório. É recomendado também que qualquer pessoa até 50 anos que não foi vacinada na infância, receba as doses da vacina contra a hepatite B. Pessoas imunodeprimidas ou com hepatopatias também devem ser vacinadas.

Tratamento:

 

Na maioria dos casos, o tratamento da hepatite B aguda tem como objetivo aliviar os sintomas e afastar o risco de complicações. O tratamento com antivirais nessa fase está indicado apenas nos pacientes que desenvolvem insuficiência hepática grave.

Em torno de 15% dos pacientes que adquirem a hepatite B evoluem para a sua forma crônica. Nem sempre o tratamento é necessário de imediato. Quando há necessidade de tratamento antiviral, existem medicações que inibem a multiplicação do vírus e atuam no controle da resposta inflamatória.

É importante ressaltar que a hepatite B crônica aumenta o risco de cirrose hepática e câncer de fígado (hepatocarcinoma).

A hepatite B é uma doença causada pelo vírus VHB, o qual tem uma predileção por infectar os hepatócitos, as células do fígado. Essas células podem ser agredidas pelo VHB diretamente ou pelas células do sistema de defesa do corpo, que podem acabar causando um processo inflamatório crônico na tentativa de combater a infecção.

O período de incubação desse vírus pode variar entre um e quatro meses. Uma pessoa infectada pelo VHB pode desenvolver uma hepatite aguda e/ou hepatite crônica.

O vírus da hepatite B pode ser transmitido por via vertical, ou seja, de mãe para feto na gravidez, durante e após o parto. Outra forma de transmissão é por via horizontal, através de relações sexuais, uso de drogas injetáveis, transfusão de sangue ou contato deste com ferimentos da pele e mucosa.

Diagnóstico:

O diagnóstico da hepatite B é feito por meio do quadro clínico do paciente, exames laboratoriais (dosagem das enzimas hepáticas – transaminases). A confirmação do diagnóstico ocorre através da sorologia para o vírus da hepatite B ( pesquisa de antígeno e anticorpo) e/ou com a detecção do virus propriamente dito.

Sintomas:

  • Hepatite B aguda: náuseas, vômitos, mal estar, febre, fadiga, dores abdominais, urina escura, fezes claras e icterícia (cor amarelada na pele e conjuntivas).

Saiba Mais >